Conheça os tipos de monitores e suas características

Conheça os tipos de monitores e suas características

Ele é parte essencial de computadores e notebooks, como também é responsável por facilitar a execução de atividades

O uso de computadores se expandiu nos últimos anos, principalmente durante o período de pandemia, quando muita gente ficou em casa para trabalhar ou estudar. Além disso, ele também foi utilizado como opção de lazer. Isso significa que muitas horas do dia foram em frente às telas dos computadores e, por isso, os tipos de monitores podem fazer a diferença.

Seja em atividades de home office, estudos ou para assistir filmes, séries, lives e outros conteúdos visuais, o monitor é uma peça fundamental que proporciona boa experiência aos usuários. Afinal, ele é parte essencial de computadores e notebooks, como também é responsável por facilitar (ou não) o uso desses equipamentos.

Sem escolher o tipo de monitor adequado para as atividades que serão realizadas, os usuários podem sofrer com a visualização de gráficos, telas, apresentações, videoconferências, filmes ou outro recurso visual. 

Como cada pessoa tem atividades e necessidades diferentes, é importante buscar um monitor que atenda às demandas específicas de cada situação. Por exemplo, alguém que trabalha com edição de vídeo e imagens necessita de características específicas, já uma pessoa que participa de muitos jogos online utiliza funções diferentes.

Os tipos de monitores têm características e tecnologias voltadas para determinados perfis de uso. Saiba mais sobre os principais tipos, tamanhos, conexões e outras informações fundamentais para escolha do monitor mais apropriado.

Dica: Saiba como usar dois monitores para trabalhar no home office

Principais tipos de monitores

LCD 

O LCD é uma das opções mais comuns quando o assunto é tipos de monitores, por isso é considerado uma tecnologia madura e com preços mais acessíveis. Ele também é mais econômico em tamanho, com medidas inferiores a 40 polegadas. Apesar disso, tem menos incidência de imagens estáticas ou congeladas. 

Porém, têm contraste baixo, o que significa que os tons escuros, como o preto, podem aparecer distorcidos. E, o ângulo de visão é relativamente limitado. 

Nesse caso, o ideal é ficar de frente para o monitor, o que evita a distorção das cores com a angulação da visualização.

O LCD é mais indicado para atividades que exigem nível gráfico alto. A tecnologia usa um painel fluorescente de cátodo frio. Essas características proporcionam mais economia de energia, leveza e praticidade quando comparado a outros monitores.

OLED

OLED é uma das novidades mais inovadoras do mercado, utilizada na fabricação de telas de TV’s, smartphones e computadores. O termo vem do inglês, organic light-emitting diode, e significa diodo orgânico que emite luz. 

A tecnologia estimula um campo eletromagnético por meio de materiais orgânicos que emitem as cores azul, vermelha e verde. Elas conseguem formar qualquer imagem no display. O OLED ainda permite que os pixels emitam luz de forma individual, proporcionando o preto puro e cores fiéis. 

Vale ressaltar que o modelo tem como principais características o bom contraste e o campo de visão. Ele ainda não está disponível no Brasil, é preciso importá-lo para conseguir adquirir o produto. 

LED 

Monitores LED têm telas finas, baixo consumo de energia e durabilidade maior do que os outros modelos. Além disso, o tempo de resposta é menor, então as imagens demoram menos para aparecer com nitidez.

A tecnologia é recente e tem custo de produção elevado, o que pode impactar no preço final pago pelo consumidor. Esse tipo de monitor possui diversos tamanhos, como 32, 29, 27 e 24 polegadas.

O LED usa diodos luminosos que iluminam a tela de formas diferentes e a luz branca de LED é difundida de uma maneira uniforme para todas as partes do monitor. É uma opção que compensa, caso o uso seja em atividades que não demandem alta qualidade gráfica.

Twisted Nematic (TN) 

A tecnologia Twisted Nematic (TN) é uma das mais comuns e usada em boa parte dos monitores, principalmente naqueles mais baratos e simples. Ela tem baixo tempo de resposta, então as imagens não vão demorar a aparecer nitidamente.

Porém, os painéis TN não são os ideais para atividades gráficas intensas, pois não possuem bons resultados de contraste e colorido. Isso significa que os tons claros, escuros e cores em geral não serão mostrados de forma nítida como outros displays.

Vertical Alignment (VA) 

O display Vertical Alignment (VA) tem alta capacidade de mostrar cores vivas e tons escuros, afinal, contam com níveis altos de contraste. Dessa forma, é recomendado para uso em tarefas que exigem alta qualidade gráfica.

A única questão dessa tecnologia é que seu tempo de resposta é elevado quando comparada com os outros tipos de painéis.

In-Plane Switching (IPS) 

A tecnologia In-Plane Switching (IPS) tem boas taxas de contraste e alta qualidade na reprodução de imagens coloridas. É uma opção para usos gráficos intensos, mesmo que os tons escuros possam ser exibidos com qualidade menor que no display VA.

O tempo de resposta com a tecnologia IPS também é outro atrativo, e pode ser maior que o encontrado no painel de tecnologia VA.

Dica: Conheça os tipos de cabos USB e conexões para celular

Curiosidade: monitor CRT 

Os monitores CRT usavam tecnologia de tubo de raios catódicos e, por muito tempo, foram bem comuns no mercado, até a chegada de monitores de tela plana. São os “computadores de tubo” ou “cebolão”, parecidos com as antigas televisões.

O monitor CRT foi popular, mas em comparação com as telas atuais, fica notável notório que os monitores antigos eram pouco práticos, pesados e usavam uma tecnologia bem abaixo do que podemos ver hoje em dia. 

Características dos monitores

Tamanho

O tamanho do monitor é um fator importante na hora de escolher qual modelo levar. Fique atento aos seguintes pontos:

  • Preferência pessoal em relação ao tamanho;
  • Se há espaço suficiente para o monitor desejado;
  • Qual é a faixa de preço que deve ser usada na compra.

São diversas opções de tamanho, que é mensurado em polegadas. Quanto maior o número, maior é a tela. Para quem deseja usar no dia a dia para trabalho remoto, telas de tamanho médio, entre 19 e 22 polegadas, podem ser as ideais.

Agora, se o uso for para games, vídeos ou mesmo edição de materiais gráficos, monitores com mais de 24 polegadas podem ser a melhor opção. Porém, eles custam mais caro do que tamanhos menores.

Guia-do-consumidor

Resolução 

A resolução também é outro destaque na hora de escolher uma opção entre os tipos de monitores. Quanto maior o número da resolução, melhor a definição e a qualidade da imagem, o valor do produto também aumenta. 

As opções mais comuns são o Full HD e 4K. O Full HD é encontrado em boa parte das telas e atende demandas de trabalho ou de vídeos, filmes e até jogos. 

Para resoluções maiores, é importante verificar se o PC tem placa de vídeo com capacidade para processar grandes resoluções, já que quanto maior for o número, maior será o processamento para exibir as imagens com nitidez. 

Vale lembrar que alguns equipamentos não possuem capacidade para processar resolução 4K. A resolução é a mais comum no mercado, enquanto a 8K é praticamente inexistente.

Dica: 6 maneiras de recuperar o sinal da internet

Proporção 

A proporção de um monitor diz respeito ao seu formato. O mais popular é o “widescreen”, retangular, que tem padrão de proporção 16:9. Ele permite exibição de conteúdos Full HD com resolução de 1920×1080 pixels sem distorcer imagens. Boa parte de filmes e jogos são exibidos nessa proporção. 

Porém, alguns monitores têm outros números, como  16:10, 5:4 e 4:3. Tudo isso pode gerar imagens mais quadradas ou com barras escuras nas laterais. Logo, o ideal é que a proporção do monitor seja de 16:9.

Caso a máquina seja utilizada para trabalho que necessite utilizar duas janelas ao mesmo tempo, monitores com proporção maior, como 21:9, que são mais largos, podem ser uma boa alternativa.

Conexões 

As conexões de um monitor são as portas de entrada para cabos quando a ideia é exibir no monitor imagens de outros dispositivos. Em geral, as conexões mais comuns são HDMI, DVI e DisplayPort. 

Alguns modelos ainda usam conectores VGA, porém esse tipo não é compatível com vários aparelhos do mercado. Para uso de imagem em alta definição, a melhor opção é a conexão HDMI ou DisplayPort.  Por isso, veja se o monitor que você pretende comprar possui essas entradas. Caso tenha só a conexão VGA, é bom repensar a compra.

Faça boas escolhas com a PROTESTE 

Entender os tipos de monitores ajuda na hora de comprar a melhor opção para as suas necessidades. Esse é um dos compromissos da PROTESTE, ajudar consumidores com conhecimento para fazerem as melhores escolhas de compra.

Além disso, a maior associação de defesa do consumidor da América Latina também conta com vários recursos que ajudam as pessoas na avaliação de produtos, como os testes comparativos. Eles avaliam produtos e serviços para que você entenda as características das principais marcas que estão no mercado, e veja qual é a melhor opção de compra para a sua realidade.

Outro recurso é o canal Reclame, idealizado para receber reclamações sobre produtos e serviços. A PROTESTE oferece a plataforma para intermediar o contato entre empresas e consumidores. Assim, os clientes podem ter uma solução satisfatória.

Contamos com uma equipe de especialistas que estão prontos para defender seus direitos diante de qualquer situação contra a legislação ou que seja lesiva ao consumidor. Conheça o canal Reclame.



tecnologia | 23 de novembro de 2021
Dicas de segurança digital para idosos
tecnologia | 23 de novembro de 2021
Dicas de segurança digital para idosos
Sua casa | 22 de novembro de 2021
Sites falsos: como identificar e se proteger
Sua casa | 22 de novembro de 2021
Sites falsos: como identificar e se proteger
tecnologia | 16 de novembro de 2021
Como formatar o celular? Passo a passo
tecnologia | 16 de novembro de 2021
Como formatar o celular? Passo a passo
tecnologia | 9 de novembro de 2021
Open banking: o que muda para o consumidor
tecnologia | 9 de novembro de 2021
Open banking: o que muda para o consumidor