Privacidade Hackeada: Filme discute privacidade online

Privacidade Hackeada: Filme discute privacidade online

Documentário da Netflix tem como pano de fundo os escândalos protagonizados pelo Facebook no episódio da Cambridge Analytica

A Netflix lançou no final de julho no Brasil o documentário Privacidade Hackeada. Como pano de fundo, os escândalos protagonizados pelo Facebook no episódio da Cambridge Analytica, empresa que coletou os dados de 87 milhões sem consentimento e colocou em xeque a privacidade online dos usuários da rede.

O trailer do documentário já dá uma ideia do conteúdo. “Quem já viu uma propaganda que te convenceu que o seu microfone está ouvindo suas conversas? Todas as suas interações, as transações do cartão, pesquisas da web, localizações, curtidas, tudo isso é coletado em tempo real numa indústria trilionária”. “Dados superaram o valor do petróleo. É o bem mais valioso da terra“.

Nesse contexto, Privacidade Hackeada aborda o escândalo sob o ponto de vista de várias personagens. Alguns deles, ex-funcionários da Cambridge Analytica. David Carroll, professor associado da Parsons School of Design, de Nova York, se empenha em descobrir quais dados Cambridge Analytica reuniu sobre ele. Sua visão é colocada à tona no documentário, que é dirigido por Jehane Noujam e Karin Amer.

Além disso, a produção da Netflix conta com a participação da jornalista investigativa do The Guardian, Carole Cadwalladr. Ela expõe como foram as descobertas em torno do escândalo. Além dela, Julian Wheatland, ex-diretor de operações da Cambridge Analytica participa do filme.

A privacidade online e a economia de dados

Estamos vivendo a era em que a economia de dados é a própria economia. Ela nada mais é do que o ecossistema global digital no qual a imensidão de dados produzidos a cada segundo nas mais variadas atividades são reunidos, organizados e trocados por uma rede de vendedores para derivar valor da informação acumulada.

+Leia também: Vetos à LGPD: o que dizem os especialistas sobre o assunto

Foi na esteira dessa economia de dados que pioneiramente a União Europeia criou a GDPR (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados, em português). Essa mesma regra inspirou a nossa Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Mais de uma centena de países têm leis semelhantes.

Ainda não conhece a PROTESTE? Clique aqui e entenda como ajudamos o consumidor a defender seus direitos.