Lixo eletrônico: você sabe como descartar?

Lixo eletrônico: você sabe como descartar?

Quem não acumula baterias, teclados, pilhas, celulares, notebooks e outros equipamentos eletrônicos em casa, sem saber como se desfazer deles?

Você compra um smartphone, mas não se desfaz do antigo; o notebook que não funciona bem acaba ficando de reserva; a bateria, fica armazenada para o dia em que for possível levar a um posto de coleta. E, assim, vários lixos eletrônicos (que incluem desde lâmpadas LED até geladeiras) se acumulam na casa de todos os consumidores.

Como lidar com isso? Tais aparelhos podem causar danos à natureza e aos seres humanos, se descartados de forma inadequada. Em 2018, a ONU divulgou que o mundo gerou 48,5 milhões de toneladas desses resíduos, sendo que apenas 20% desse material é reciclado. Além disso, a quantidade de aparelhos eletrônicos vem crescendo de 3% a 4% ao ano. 

O problema é que a maioria dos equipamentos possui substâncias inorgânicas, como cobre, alumínio e metais pesados (mercúrio, cádmio, berílio e chumbo). Logo, você já pode imaginar as consequências do descarte inadequado: contaminação de solos, lençóis freáticos, rios, seres humanos e animais. Além disso, segundo o engenheiro ambiental Lucas Chiabi, fundador do Ciclo Orgânico, a emissão de gases na atmosfera altera o clima do planeta. “Ainda existem muitos aparelhos feitos de plástico, metais e vidro, que demoram centenas de anos para se decompor no meio ambiente, entre outras características nocivas”, explica.

Vale lembrar que a reciclagem, além de reduzir o lixo eletrônico, também é uma prática importante da chamada economia circular, ou seja, a transformação de resíduos em insumos ou matérias-primas para novos produtos. Isso gera renda para toda a comunidade, desde cooperativas de catadores até a indústria de transformação, além de reduzir a sobrecarga de aterros sanitários e as consequentes contaminações.

Como descartar esses materiais?

Para o consumidor, o descarte é realmente um problema, pois em muitos municípios não há coleta seletiva que englobe tais materiais. No entanto, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, tanto o fabricante quanto quem comercializa devem ser responsáveis pela coleta e descarte adequado de tais itens.

Algumas empresas de eletrônicos, como Dell, Samsung e Sony, coletam os dispositivos na casa do consumidor, responsabilizando-se pela sua logística reversa. Outras marcas também oferecem envio gratuito e pontos de entrega. Quem tem eletrônicos a serem descartados, deve entrar em contato com o fabricante para saber qual a melhor forma de fazer isso.

Eletrônicos podem ser transformados?

Um estudo publicado na revista Environmental Science & Technology constatou que custa 13 vezes mais caro extrair os minerais de jazidas naturais do que reutilizar os resíduos tecnológicos para confeccionar novos equipamentos. Alguns exemplos:

  • carcaças de celulares e computadores podem ser trituradas e os polímeros que são formados, queimados para produção de energia. Também podem ser derretidos e gerar plásticos;
  • nas placas eletrônicas de computadores podem ser recuperados metais presentes que as compõem, como cobre e alumínio;
  • os materiais plásticos podem ser reciclados para voltar a fazer parte de novos produtos ou serem transformados em matéria-prima de itens de gráficas, tais como banners;
  • pilhas usadas podem ser transformadas em pigmentos para fogos de artifício, pisos cerâmicos, vidros e tintas, por exemplo;
  • o metal de placas de circuitos eletrônicos dos aparelhos é usado para novas peças.