Faixa de 700 MHz leva 4G no Brasil a outro patamar

Faixa de 700 MHz leva 4G no Brasil a outro patamar

OpenSignal destaca que faixa de 700 MHz levou a melhorias de 5% a 10% em disponibilidade nas grandes cidades

O Brasil obteve significativos ganhos no desempenho da rede móvel após a liberação da faixa de 700 MHz. A constatação é da empresa de análise e pesquisas Opensignal, que identificou o crescimento em um ano na estabilidade do serviço 4G observada com a coleta de dados.

Segundo o Mobile Time, a empresa destaca que houve melhorias grandes em quase todas as cidades, de 5% a 10% em disponibilidade. E isso mostra a importância de ter uma nova faixa de frequência para o 4G.

A especialista em Telecomunicações da PROTESTE, Thais Veloso, endossa essa visão. Segundo ela, com a necessidade de locomoção e acesso cada vez mais rápido e preciso dos consumidores, o aumento da disponibilidade da cobertura 4G no país torna-se fundamental. Além disso, a adição da faixa de 700 MHz ajuda inclusive o aumento da velocidade das outras bandas.

Segundo o OpenSignal, houve melhoria nas taxas de download, mas o impacto maior foi na cobertura. A explicação é simples: como a faixa de 700 MHz possui maior alcance e penetração do que as demais bandas utilizadas no 4G (de 1,8 GHz e de 2,5 GHz), aumenta a disponibilidade do sinal.

Em razão disso, o avanço foi de ao menos 4% nas dez cidades pesquisadas: Belo Horizonte, Fortaleza, Manaus, Recife, Porto Alegre, Salvador, São Paulo, Curitiba, Brasília e Rio de Janeiro. A capital gaúcha mostrou maior aumento, com 10%; enquanto a amazonense obteve avanço de 7%.

Os dados corroboram também o avanço de disponibilidade média total das operadoras, com Claro, TIM e Vivo apresentando índices acima de 80%. Ao todo, o Brasil tem um índice de disponibilidade de 4G em 75% das áreas urbanas, mas de apenas 40,9% nas áreas rurais.

Thais Veloso destaca a importância do aumento da disponibilidade do 4G no país para os consumidores.

Esta mudança favorece, inclusive, locais mais críticos em relação a cobertura e sinal. Dessa forma, o consumidor de smartphones passa a obter melhor autonomia, além de otimizar a velocidade de algumas outras bandas e uma cobertura melhor de sinal.