Bateria de grafeno pode ser novidade da Samsung em 2020

Bateria de grafeno pode ser novidade da Samsung em 2020

A fabricante sul-coreana vem realizando pesquisas com o material há anos. Bateria tem capacidade para carregar totalmente em poucos minutos

A Samsung pode lançar, já em 2020, o primeiro celular com bateria de grafeno de que se tem notícia. De acordo com Evan Blass, conhecido no mundo da tecnologia por seu perfil no Twitter @evleaks, a fabricante sul-coreana já vem pesquisando sobre o material há vários anos.

O grafeno é uma das formas cristalinas do carbono, assim como o diamante e o grafite. É um material versátil por sua eficiência em conduzir eletricidade e sua resistência superior à do aço.

De acordo com o pesquisador da PROTESTE, Thiago Leite Porto, se a tecnologia se mostrar boa, provavelmente pode se tornar o novo padrão de baterias em smartphone. Mas ele faz um alerta: por se tratar de uma tecnologia nova, os preços dos aparelhos que a utilizarem chegarão um pouco acima do mercado.

“A bateria é um componente que pode ser perigoso no celular, existem casos de explosão da bateria em diversos modelos de várias empresas. Sendo assim, a melhor opção é esperar a tecnologia ser amplamente difundida para que as primeiras falhas possam ocorrer, ou não, e provar a segurança da tecnologia”, afirma.

Carregamento mais rápido

As baterias de grafeno prometem um carregamento extremamente mais rápido do que as tradicionais feitas de lítio. Além disso, oferecem riscos bem menores de explosões, degradam mais lentamente e são mais leves. A tecnologia, no entanto, ainda não chegou aos celulares.

“A Samsung espera ter pelo menos um celular no próximo ano ou em 2021, segundo me disseram, que contará com uma bateria de grafeno”, disse Blass em sua conta no Twitter.

Bateria de grafeno ainda tem custo alto

De acordo com Blass, a nova bateria desenvolvida pela Samsung teria a capacidade de completar uma carga inteira em menos de meia hora. No entanto, a fabricante ainda busca o aumento da capacidade enquanto reduz os custos do uso dessa matéria-prima.

As informações são do site Mashable.

Ainda não conhece a PROTESTE? Clique aqui e entenda como ajudamos o consumidor a defender seus direitos.